Delações apontam que compra de MPs continuou mesmo após a Lava Jato

Delações apontam que compra de MPs continuou mesmo após a Lava Jato
abril 20 12:03 2017 Imprimir Este Artigo

Os depoimentos de ex-executivos da Odebrecht apontam que de 2005 a 2015, a empresa pagou propina, fez contribuições oficiais ou por meio de caixa dois com o objetivo de influenciar atos do Legislativo e do Executivo.

Na maior parte dos casos, eles intencionavam a aprovação de medidas provisórias (MPs). Assim, fica evidente que os últimos acordos entre políticos e empresários aconteceram já com a Operação Lava Jato em curso – a operação foi deflagrada ainda em 2014. Por exemplo, o ex-diretor Claudio Melo Filho contou que fez doações para o governador de Alagoas, Renan Filho (PMDB), na campanha de 2014, tendo como contrapartida “o forte apoio [de seu pai, o senador Renan Calheiros] à renovação dos contratos de energia, que culminou na edição” do texto.

A matéria, em questão é a MP 677, de 2015, que prorrogou contratos de energia de grandes indústrias no Nordeste.

Bahia Notícias   Foto: Daniel Ferreira / Metrópoles

Print this entry

  Article "tagged" as:
  Categories:

Ainda não há comentários

Você pode ser o único a iniciar uma conversa .

Adicione um comentário

Your data will be safe! Seu endereço de e-mail não será publicado. Também outros dados não serão compartilhados com terceira pessoa.
Todos os campos são obrigatórios.